Notícia

Painel discute desafios em busca do Campus Inteligente

17/10/2017 18:19

Com o objetivo de discutir os desafios para suportar aplicações de Campus Inteligente, o painel moderado pela diretora adjunta de Internet Avançada da RNP, Iara Machado, reuniu um grupo de pesquisadores de grandes universidades que estão envolvidos em projetos relacionados ao tema: Daniel Macedo, da UFMG, José Rezende, da UFRJ, Liane Tarouco, da UFRGS e Thais Batista, da UFRN. Cada um compartilhou as experiências que está vivendo para superar os obstáculos e colocar a tecnologia em prática.

Para o professor Daniel Macedo, o Brasil deve seguir o exemplo das grandes universidades norte-americanas “que têm uma quantidade muito grande de statups e elas estão gerando conhecimento e trazem muito dinheiro para a universidade em cima do licenciamento de tecnologia. A gente poderia aproveitar nosso momento para desenvolver nossas soluções”.

Na visão da professora Liane Tarouco, o fator primordial para iniciar as atividades em busca do Campus Inteligente é focar no objetivo principal da universidade: educação. Ou seja, todos os esforços têm que ser concentrados na criação de um melhor ambiente de ensino e aprendizagem, dando boas condição para alunos, professores e docentes.

Thais Batista compartilhou as lições que vivenciou no Projeto Smart Metropolis, parceria firmada entre a UFRN e a prefeitura de Natal para o desenvolvimento de aplicações inteligentes para várias áreas estratégicas como segurança, turismo, mobilidade urbana e meio-ambiente e que serviram para que o Smart Campus começasse vários passos à frente, como por exemplo, na investigação e definição de qual plataforma IoT utilizar.

Professor da UFRJ, José Rezende voltou o foco para os desafios relacionados à rede no campus. “A gente tem problema de conectividade interna relacionado à falta de investimento continuado. Temos, às vezes, problemas de conectividade externos em razão de rompimento de enlaces ou manutenções não agendadas. Temos pouca cobertura de rede sem fio, tanto wifi, quanto 3G e 4G. A heterogeneidade das redes de cada rede e a descentralização da administração das mesmas também são um problema, além da ausência da operação 24/7. Esses são alguns dos desafios a serem vencidos para que possamos ter algum dia o Campus Inteligente”, concluiu Resende.

Formulário sobre iniciativas de Campus Inteligentes nas universidades brasileiras

Este formulário tem como objetivo realizar um mapeamento sobre iniciativas de implantações de soluções para tornar os campi universitários do Brasil inteligentes. A ideia é entender quais demandas estão sendo tratadas pelas instituições e verificar quais casos de uso são mais relevantes para serem tratados. A RNP pretende no futuro integrar iniciativas nesta temática com objetivo de incentivar o desenvolvimento e a adoção de tecnologias emergentes para melhorar a qualidade de experiência da vida universitária.

Responda por aqui.